+ Motores

Toques no arranque da final comprometem resultado de Pedro Rosário em Sever

1kvisualizações

Uma abordagem mais musculada na primeira curva da final colocou o piloto fora da discussão da vitória, depois de um fim-de-semana em que o seu andamento pressionou os demais favoritos.

Sever do Vouga representava para Pedro Rosário “o arranque de uma época em que queremos lutar prova a prova pelo título perdido em 2018 e 2019”. O piloto chegava à prova inaugural do Campeonato de Portugal de Kartcross 2020, como um dos grandes favoritos à vitória, integrado num grupo restrito de pilotos com reais pretensões a tal.

E logo nos treinos deu o mote, ao garantir o segundo melhor tempo, entre as duas dezenas de participantes. As três corridas de qualificação para a final mostraram um Pedro Rosário ao mais alto nível, lutando sempre pelo domínio e, chegando ao fim dessa fase da prova, num sólido 2º lugar, que lhe dava uma posição na primeira fila da grelha de partida para a hora “de todas as verdades”. Esta exibição deixava o piloto “muito satisfeito. Afinal parece que não estou assim tão velho e que consigo ombrear com todos os jovens valores que começam a despontar na modalidade!”.

A final acabaria por ser dramática para as aspirações do piloto. Ordem de partida e Pedro Rosário até arranca “muito bem, estando a discutir a liderança quando sofri um toque de corrida danificando o meu Kartcross. Fiquei com uma manga de eixo partida e a direção completamente desalinhada, caindo para último com o pião que fiz e com o tempo que perdi até voltar a arrancar”.

Mesmo com o kartcross afetado, Pedro Rosário foi “em busca do prejuízo e ainda consegui recuperar quatro posições, isto num pelotão extremamente competitivo, mas, apesar de todo o meu esforço, já não deu para chegar aos lugares da frente, que, em circunstâncias normais, estavam ao nosso alcance”. A 11ª posição final é assim “um amargo de boca, mas, ao contrário do ano passado, acreditamos que podemos lutar pelas vitórias”.

Como nota positiva, Pedro Rosário assume estar “muito contente com o desempenho do carro e com o ritmo de corrida que impomos ao longo de todo o fim-de-semana”. No entanto, sente que “temos muito a trabalhar para melhorar alguns pontos do carro e melhorar o meu ritmo de corrida. Acreditamos que este tempo de paragem, irá permitir fazer pequenas melhorias, no entanto estamos com muitas limitações impostas para nos proteger da pandemia que nos aflige”.

Agora é esperar que “o campeonato seja retomado. Seria um bom sinal, porque significaria que esta pandemia tinha sido debelada, para bem da saúde de todos. Julgo que, e quando voltarmos a competir, o campeonato será muito disputado e que estaremos na luta pelos lugares da frente”.

Deixe uma resposta